"DEUS sim"

Uma atitude comum em nossos dias é considerar a participação no culto como sendo algo secundário e até desnecessário para a vida cristã. Mas esse não era o entendimento e a prática dos primeiros cristãos, conforme relata o Livro de Atos: “E todos os dias, no templo e de casa em casa, não cessavam de ensinar e de pregar Jesus, o Cristo” (At 5.42). Eles se reuniam diariamente e sabiam que ao reunir-se liberava um grande poder espiritual, por isso “diariamente perseveravam unânimes no templo, partiam pão de casa em casa e tomavam as suas refeições com alegria e singeleza de coração” (At 2.46). Em nossos dias, pessoas ficam semanas sem participar do culto e parecem não sentir falta alguma. Outras ficam meses sem participar da ceia e acham isso normal. Mas, definitivamente, não é normal, não é o padrão de um crente vencedor.
Uma graça individual, outra a graça coletiva
No decorrer dos anos, temos aprendido que existe uma graça que é liberada sobre nós individualmente, mas há outro nível de graça e desfrute que somente podemos receber quando estamos reunidos com os irmãos: é a graça coletiva.
Jesus nos ensinou que podemos orar em secreto em nossos quartos, mas existe uma oração que, para ser feita, devemos estar reunidos no nome dele e em concordância. Quando isso acontece, o Pai libera do céu a sua bênção. Mas, se deixarmos de nos reunir, é certo que muitas orações ficarão sem reposta porque não foram feitas segundo o padrão de Deus.
Aquele irmão que deixa seguidamente de congregar e de participar dos cultos da igreja está perdendo algo em sua vida espiritual. Deixar de reunir-se é uma atitude arrogante. Fazendo isso, a pessoa está declarando que não necessita de ninguém, que é auto-suficiente e que pode viver a vida cristã sem qualquer ajuda do Corpo. Nós sabemos que Deus resiste ao soberbo. Essa pessoa começará a se sentir seca e insensível, pois o Senhor a resistirá e, com o tempo, ela pode vir até mesmo a se afastar completamente da fé. As reuniões da igreja são uma grande proteção.

Esse princípio também é verdadeiro com respeito à Palavra de Deus. Podemos ter revelação, em certa medida, buscando a Deus sozinho, em nossa casa, mas as revelações mais profundas e o entendimento de muitas partes da Palavra de Deus só nos serão liberados na reunião da congregação.
Você já observou que, mesmo assistindo pela Internet em casa a pregação do último final de semana, o impacto em nossas vidas não é o mesmo?
Isso acontece porque não basta receber a palavra certa, é preciso que essa palavra seja ministrada em um ambiente correto. Uma palavra ouvida em um ambiente impróprio não produz resultados espirituais duradouros. Muitos acham que não precisam ir ao culto e que basta comprar o CD ou DVD com a pregação e ouvi-la em casa. Mas, agindo assim, estão perdendo a unção liberada na reunião e a própria Palavra não penetrará na vida deles como aconteceria em um culto.
É algo sobrenatural o que acontece quando um grupo de irmãos se reúne para adorar a Deus e receber a Palavra. Aquela atitude unânime, o coração focado nas coisas do céu, a fé liberada, o estímulo mútuo, tudo isso tem um poder impressionante. Uma reunião assim sempre nos marca e nunca somos os mesmos depois que saímos dali.

Você consegue perceber o quanto perdemos quando deixamos de ir ao culto ou quando vamos muito raramente? Participar do culto dos santos deveria ser uma prática diária, mas em função do tempo em que vivemos deveria ser algo que fazemos pelo menos duas vezes por semana: na célula e na celebração.
Não há igreja sem comunhão
No Velho Testamento, o povo se reunia para adorar na tenda da congregação, ou da comunhão. Quando o povo estava ali, eles eram a “congregação” de Israel. No Novo Testamento, a Palavra de Deus nos exorta a que não deixemos de nos congregar. O apóstolo diz: “Não deixemos de congregar-nos, como é costume de alguns; antes, façamos admoestações e tanto mais quanto vedes que o Dia se aproxima” (Hb 10.25).

Por que uma pessoa deixaria de ir ao culto da igreja? Naturalmente, algumas estão impedidas de se locomoverem, outras estão incapacitadas ou estão enfermas fisicamente; outras, porém, preferem ficar em casa assistindo sermões pelo rádio, pela TV ou até pela internet. Nós sabemos que o próprio Senhor Jesus ia à sinagoga todos os sábados para congregar (Lc 4.16). Se somos seus discípulos, precisamos fazer como Ele fez. Nem faço menção àqueles que não vão ao culto porque estão seduzidos pelas coisas do mundo e pela embriaguez do presente século. Certamente, o diabo oferece um verdadeiro cardápio de coisas sedutoras para impedi-los de ir cultuar a Deus.
Você sabia que os discípulos perseveraram reunindo-se juntos nos cenáculos até serem revestidos do poder do Espírito Santo? Fico pensando se um daqueles cento e vinte tivesse faltado justamente no dia que o Espírito veio. Que perda não teria sido!
O cristianismo é singular por não ser de natureza individual, mas coletiva.
A própria palavra “igreja”, eklesia no grego, significa assembleia, ajuntamento, reunião, “os chamados para fora”. Deus não apenas chamou para fora um povo, mas quer também que eles se congreguem.
Se cada um que fosse chamado mantivesse sua independência, não haveria igreja. Querer estar na igreja sem se reunir é uma contradição de termos. Todos os crentes devem se reunir para que possam receber da graça de Deus.
O Corpo se expressa na reunião
Algumas pessoas dizem que não precisam ir ao culto porque hoje Deus não habita em prédios feitos por mãos humanas e que, portanto, elas podem adorar invocar ao Senhor em qualquer lugar. Isso é verdade, de fato, Deus não habita em prédios, mas nós não vamos adorar com os irmãos por causa do lugar, mas por causa da comunhão do Corpo. Se a congregação quiser, pode se reunir em qualquer lugar, mas, segundo a Palavra de Deus, os santos se reunir.

Não usamos o Salmo 122 como motivo de nos reunirmos. Já não dizemos: “Alegrei-me quando me disseram: Vamos à casa do Senhor.” A Casa de Deus, hoje, somos nós. De fato, a mulher samaritana disse a Jesus: “Nossos pais adoraram neste monte, e vós dizeis que é em Jerusalém o lugar onde se deve adorar. Mas Jesus lhe respondeu: Mulher, podes crer-me que a hora vem, quando nem neste monte, nem em Jerusalém adorareis o Pai [...] Mas vem a hora e já chegou, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque são estes que o Pai procura para seus adoradores. Deus é espírito; e importa que os seus adoradores o adorem em espírito e em verdade.” (Jo 4.20-24.)
Entretanto, nada disso nega o fato de que devemos nos reunir. Apenas mostra que podemos nos reunir em qualquer lugar.
Precisamos nos reunir. Quando nos reunimos há uma sinergia espiritual, o poder de Deus é multiplicado: “Como poderia um só perseguir mil, e dois fazerem fugir dez mil, se a sua Rocha lhos não vendera, e o Senhor lhos não entregara?” (Dt 32.30.) Um persegue mil, mas dois juntos perseguem dez mil. Não é maravilhoso?
A presença do Senhor está no reunir
Todos nós sabemos que o Senhor é fiel e Ele, por duas vezes, nos prometeu sua presença. Em Mateus 28.20, Ele disse que estaria connosco de forma individual todos os dias de nossa vida ou até a consumação dos séculos. Já em Mateus 18.20, Ele prometeu sua presença à Igreja de maneira coletiva. Ele disse: “Porque, onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, ali estou no meio deles.” Uma coisa é ter a presença do Senhor em nosso espírito, outra coisa é desfrutar de sua presença quando estamos juntos como Igreja.

Como um crente pode rejeitar estar onde a presença de Deus está? Semana após semana, muitos crentes têm uma desculpa para não irem ao culto. Alguns se desculpam, dizendo que é legalismo exigir ir ao culto toda semana. Mas a verdade é que sua frequência ao culto fala do lugar das coisas de Deus na sua vida.
A maior indignidade que qualquer cristão pode cometer contra o Senhor é deixá-lo em uma posição secundária. Isso é uma tapa na face de Deus. Como você prioriza o seu tempo? Por exemplo, quantas vezes você faltou aos cultos da igreja por causa dos seus negócios? Nessas ocasiões, não foram os seus clientes que ficaram aguardando, foi Deus. Eles foram postos em primeiro lugar, acima dos interesses dele!
Compreendo que você não possa evitar faltar ao culto se o seu trabalho lhe impede de frequentar. É o caso, por exemplo, de enfermeiras, médicos ou guardas-noturnos. Mas e aquelas pessoas que podem escolher? Aquelas que dirigem o seu próprio negócio e que optam por trabalhar em vez de adorar a Deus com a Igreja. Qual é a prioridade na sua vida? Quem fica esperando: seus negócios ou o Senhor?
Nos últimos dias disse Jesus, muitos estarão tão ocupados, tão envolvidos com os seus próprios interesses, que deixarão de lado todos os interesses do céu! Deixar de ir ao culto da igreja é negligenciar a Deus. Não ter tempo para buscar o Senhor, não ter tempo para se assentar aos seus pés e aprender.
Essas pessoas podem estar fazendo coisas boas e legítimas, porém o Senhor não é o primeiro para elas! Ele não é o centro de suas vidas. Se Ele fosse, não o colocariam de lado. Elas achariam tempo para ficar com Ele!
Muitos estão convencidos que estão destinados para o céu. Porém, semana após semana, negligenciam a obra de Deus, a Palavra de Deus, a oração e a adoração. Se forem salvos, certamente não são vencedores.
Em João 13, depois de lavar os pés dos discípulos, Jesus veio para lavar os pés de Pedro. Todavia, quando se chegou para lavar os pés, Pedro se recusou a deixar o Senhor lavá-lo e a resposta do Senhor a ele foi bem profunda. “Disse-lhe Pedro: Nunca me lavarás os pés. Respondeu-lhe Jesus: Se eu não te lavar, não tens parte comigo. Então, Pedro lhe pediu: Senhor, não somente os pés, mas também as mãos e a cabeça. Declarou-lhe Jesus: Quem já se banhou não necessita de lavar senão os pés; quanto ao mais, está todo limpo. Ora, vós estais limpos, mas não todos.” (Jo 13.8-10.)
O Senhor disse que aquele que já se banhou só precisa lavar os pés. Nos já fomos lavados pelo sangue, portanto, já nos banhamos, ma hoje ainda precisamos lavar os nossos pés. O que significa lavar os pés? Será que é um ritual literal em que precisamos lavar os pés literalmente uns dos outros? Ou o lavar os pés teria um sentido espiritual?
Creio que o Senhor estava falando de algo mais profundo. Sem o lavar dessa água, Jesus disse que não podemos ter parte com Ele. A água aqui simboliza três coisas. Em primeiro lugar, a água simboliza a Palavra de Deus. “Para que a santificasse, tendo-a purificado por meio da lavagem de água pela palavra. (Ef 5.26.) “Vos já estais limpos pela palavra que vos tenho falado.” (Jo 15.3.)
A Palavra de Deus também nos mostra claramente que a água aponta para o Espírito Santo. “Não por obras de justiça praticadas por nós, mas segundo sua misericórdia, ele nos salvou mediante o lavar regenerador e renovador do Espírito Santo.” (Tt 3.5.)
Quando os soldados abriram o lado de Jesus com uma lança, dali saiu a água e sangue. Sabemos que o sangue é para a redenção, mas a água simboliza a vida. Jesus foi a rocha ferida para nos dar vida. “Mas um dos soldados lhe abriu o lado com uma lança, e logo saiu sangue e água.” (Jo 19.34.)
Jesus disse que aquele que já se banhou não necessita lavar senão os pés. O banhar-se aqui com certeza nos fala do ser lavado pelo sangue de Jesus. Nós já fomos lavados pelo sangue, agora o Senhor nos lava espiritualmente pela obra do Espírito Santo, pela iluminação da Palavra e pela lei da vida. Na Palavra de Deus esses três itens são simbolizados por água.
Essa água dever ser usada para remover o pó da terra. Os nossos pés precisam ser lavados porque eles estão sujos com esse pó. Em simbologia, o “pó da terra” aponta para a carne do homem. A carne veio do pó da terra.
Em Gênesis ficamos sabendo que o homem foi feito desse material (Gn 2.7). Mais especificamente o seu corpo, ou a carne. Depois vemos que Deus amaldiçoou a serpente condenando-a a comer pó todos os dias (Gn 3.14). Sabemos que cobras não comem pó, portanto, o pó ali é simbólico e aponta para a carne. Lá em Apocalipse 12 ficamos sabendo que a antiga serpente cresceu no decorrer dos séculos e se tornou o grande dragão.
A serpente se alimenta de carne e de pecado, pois onde há um pecado existem demônios por trás. Portanto, o significado básico de lavar os pés é remover o pó da carne.
Esse pó não é algum pecado que cometemos, mas é aquela sujeira que gruda em nossos pés enquanto caminhamos pelo mundo. Apesar de não ser pecado ela também interfere em nossa comunhão com Deus e com os irmãos.
Veja por exemplo um irmão que é vendedor. Ele fica o dia inteiro negociando e ouvindo as piadas mais imundas de seus clientes. Ele precisa ouvir, ainda que não participe, pois é negociante e precisa vender. No final do dia ele se sente contaminado, o seu coração parecer frio e ele não consegue ter liberdade para orar. O que ele necessita? Que alguém lhe lave os pés. Assim, quando esse irmão vai para a célula e ali alguém ora com ele e lhe fala uma palavra de edificação e bênção, ele sente seu espírito sendo liberado novamente e aquele peso de insensibilidade da poeira do mundo vai sendo lavado dele. Mesmo não participando das coisas do mundo, somos contaminados, por que os nossos pés estão andando na poeira deste mundo.
Você pode estar sem pecado e no entanto muito sujo pela poeira do pecado do mundo.
Um dos objetivos de nossa comunhão com os irmãos é termos os nós pés lavados mutuamente.
Naqueles dias, lavar os pés antes de participar de um banquete era crucial. As estradas eram poeirentas e as pessoas usavam apenas sandálias de couro. Depois de caminharem muitas vezes, por longas distâncias em estradas lamacentas, os seus pés ficavam sujos e com um mau cheiro penetrante.
Também naquele tempo não havia mesas com cadeiras como as que temos hoje. As pessoas sentavam no chão e esticavam as suas pernas para o lado. Se os pés não fossem lavados eles simplesmente não poderiam ter comunhão.
Assim, não devemos interpretar o lavar os pés como sendo algo literal, mas como um sinal que possui um significado espiritual. Se desejamos ter comunhão uns com os outros, precisamos lavar os nossos pés pela água da Palavra que ministramos aos outros.
Como já disse, estar sujo não significa necessariamente estar em pecado. O mundo é um lugar sujo e é fácil ficarmos sujos caminhando por ele.
As vezes, basta olhar para um out-door sensual e nos contaminamos. As vezes nos contaminamos até vendo um noticiário ou conversando com um descrente. Quantas vezes depois da visita de um parente nos sentimos sujos por causa do tipo e conversa, da atitude ruim dele e das histórias que ele nos contou. Precisamos ser lavados depois dessas situações. Como podemos ser lavados? Quando nos dispomos a lavar os pés uns dos outros por meio da comunhão da Igreja.
Para coisas pecaminosas temos o sangue, porém, para as coisas que são sujas e não pecaminosas, precisamos da lavagem espiritual da Palavra viva, do Espírito Santo e da vida que flui de nossos irmãos.
Essa é uma grande razão para estarmos juntos no nome do Senhor. Cada vez que nos reunimos, a poeira do mundo é removida dos nossos pés. Irmãos, que constantemente negligenciam a comunhão das reuniões da igreja, com o passar do tempo vão se tornando insensíveis e indiferentes às coisas espirituais. Isso acontece porque a poeira da carne, do mundo, gruda em nós e nos faz ficar embotados e até insensíveis. Mas todos nos podemos testemunhar a sensação de frescor espiritual que desfrutamos quando saímos do encontro cheios da unção, do louvor e da vida de comunhão. Nosso espírito é liberado e nos sentimos novamente sensíveis para as coisas do céu.
Portanto, o lavar os pés nada mais é que o ministrar mútuo em nossas reuniões. É ali que temos da água da Palavra para derramar sobre os irmãos. Também é na comunhão que temos a água do Espírito jorrando entre nós; basta um abraço ou uma imposição de mãos para sermos liberados em nosso espírito.
Como devemos nos reunir
O Senhor nos ensinou que devemos nos reunir em seu nome. Reunir em nome do Senhor significa que nós nos reunimos para exaltá-lo e nos colocar debaixo da sua autoridade. Quando nos reunimos no nome do Senhor, Ele se faz presente entre nós. Reunir-se em seu nome significa que todas as outras razões para estarmos ali são secundárias Ele é o centro.

Mas a Palavra de Deus também nos ensina que devemos nos reunir para a edificação do Corpo. Paulo diz: “Que fazer, pois, irmãos? Quando vos reunir, um tem salmo, outro, doutrina, este traz revelação, aquele, outra língua, e ainda outro, interpretação. Seja tudo feito para edificação” (1Co 14.26). O culto não é para entretenimento, mas tudo dever ser feito com o propósito de edificar.
O principio básico de uma reunião é a edificação do Corpo de Cristo. Todavia, em uma igreja com células como a nossa, a reunião menor na célula e a reunião maior de celebração, com toda a igreja. Em ambas, o alvo é a edificação, mas de formas diferentes.
Na igreja com células, há um equilíbrio entre as reuniões da célula e de celebração. Uma igreja com células é como uma igreja de duas asas: uma asa é a célula, e a outra, a celebração de domingo. Se as duas asas estão equilibradas, a igreja poderá voar para posições mais altas. Não podemos admitir que os irmãos participem apenas de uma das reuniões, precisamos das duas.
As reuniões de celebração são reuniões semanais nas quais todas as células se reúnem para adoração e edificação. Essas reuniões acontecem aos domingos, no prédio da igreja. Elas são muito importantes e nenhum membro pode faltar, porque elas equilibram a sua dieta espiritual.
Enquanto na reunião de celebração, ouvimos para gerar fé; na célula, falamos para crescer em fé.
Na reunião de celebração, fazemos oração de guerra em nível estratégico. Na célula, fazemos oração de guerra em nível pessoal.
Na celebração, o alvo é ensino; na célula, o alvo é discipulado.
Na reunião de celebração, aprende-se com o pregador; na célula, aprende-se uns com os outros.
Na celebração, temos testemunho e evangelismo de massa; na célula, temos testemunho e evangelismo pessoal.
"Nas reuniões de celebração temos doutrina; nas células temos revelação, línguas e interpretação." Fica a dica pessoal
Seja humilde e não pense muito alto de si mesmo, como se você fosse a maravilha do século 21. Aprenda a ser humilde e venha para a reunião da igreja para que possamos ser fortes. Sempre que as pessoas estiverem em nosso meio, elas devem sentir instantaneamente a presença de Deus. É por isso que oramos e é isso que temos experimentado. O Espírito Santo tem movido entre nós. Espero que você possa testemunhar, como muitos já têm feito, que verdadeiramente Deus está entre nós.

A imaginação é tudo..É uma visão prévia de todas as atracções futuras da vida.

"Seja o que for que a mente..possa conceber ela poderá alcançar"...Eu cresci verdadeiramente acreditar que a vida era difícil. Com alguma maturidade da vida, decidi o que realmente queria para a minha vida. A visualização é o processo de criar imagens de nós próprios na nossa mente e desfrutar daquilo que desejamos. ""Quando visualiza, gera pensamentos poderosos e sentimentos de posse"" A lei da atracção desenvolve essa realidade, tal como a viu na (sua) mente. Espere sempre as coisas que deseja, e não espere as coisas que não quer.